segunda-feira, 3 de abril de 2017

Conto #12 - Renascer (final)

  Oi pessoal! Tudo bem com vocês? Eu estou ótimo, meu fim de semana foi incrível: estou lendo o livro Filhos da Lua, da Marcella Rossetti; assistindo à nova série do Netflix, Os 13 Porquês, e trabalhando num novo-antigo projeto literário. Sem falar que, aos poucos, estou conferindo o evento LiteraAbril, que está sendo organizado pelo autor Igor Monteiro e que tem como proposta incentivar a literatura nacional, e do qual eu irei participar no próximo dia 29/03. Anotem em seus calendários!
  E hoje eu vim trazer o último post da série Por trás de A Verdadeira Morte! Segurem suas xícaras de café, prepara aquele biscoito e venha comigo conferir esse último capítulo...
 




  Sinceramente? Eu sei exatamente quando foi que eu escrevi Renascer.
  Lembro-me que foi no trimestre anterior ao lançamento do livro, entre agosto e outubro, e de que já tinha o conceito do conto pronto desde o início do ano. A princípio, era para o ser o sopro de positividade final depois de tanta tensão nos outros onze contos, focando mais naquilo que a vida pode nos oferecer do aquilo que a morte pode nos tirar.
   Eu me lembro que eu escrevi essa história muitas vezes durante a criação do livro. Escrevi em dezembro de 2015, depois em fevereiro, em julho, e depois do anúncio do lançamento do livro em agosto de 2016, eu acabei me afundando em Renascer. Não era o tipo de conto que eu escrevia e depois revisava-o, e sim o tipo que eu escrevia, relia, relia e relia quantas vezes fosse preciso, e então eu guardava as ideias boas, jogava as ruins fora e escrevia tudo de novo. Eu lembro de uma época em que eu tinha apenas uma pasta com 5, 6 arquivos Word chamados "Renascer", e um era a evolução do outro. Mas o arquivo final não foi apenas mais um arquivo naquela pasta.
    No final das contas, eu parei de tentar fazer com que aquele fosse o final feliz da minha história, e tentei, mesmo que apenas uma vez, um resumo da experiência daquilo que eu havia visto e vivido no último ano ao pesquisar para A Verdadeira Morte. Uni isso às boas ideias que já havia tido e voilá! Após lê-lo apenas uma vez, eu já sabia que aquele era Renascer.
  O conto fala sobre como uma pessoa é capaz de renascer diversas vezes em sua vida, com "renascer" sendo sempre uma metáfora para mudar, amadurecer ou evoluir. A minha ideia do termo e do título da história me vieram como uma homenagem ao CD (e também à música) Revival, da Selena Gomez, que teve grande influência em mim durante o período em que eu escrevi o livro.
    Apesar de ser pequeno, foi o melhor fechamento que eu encontrei para A Verdadeira Morte, e num momento do em que formar uma opinião é tão difícil quanto ter uma e ser fiel à ela, eu acho que foi a melhor mensagem que eu poderia ter deixado para encerrar a obra.


Bom pessoal, espero que vocês tenham gostado, não só do post de hoje, mas da série inteira. Após quase três meses da série, fico feliz que eu tenha conseguido chegar até o fim, e que vocês tenham acompanhado os posts. Eles ainda estarão aqui esperando por vocês sempre que quiserem lê-los, e A Verdadeira Morte também estará esperando.
Caso esteja interessado, o livro está disponível para compra em formato físico no Clube de Autores (super seguro), e digital, na Amazon/Kindle. E por enquanto é isso pessoal! Eu seguirei trabalhando no livro pelo restante do ano para que mais e mais pessoas leiam-no, e se você me segue e está interessado, por favor, adquira já a sua cópia e apoie a literatura nacional!
Até a próxima!

Nenhum comentário:

Postar um comentário