segunda-feira, 13 de julho de 2015

A Luz de Cada Mundo #7 - O segundo capítulo.






















  Oi pessoal! Tudo bem? Depois de uma semana após o lançamento do (curto) primeiro capítulo, estou hoje para trazer algo um pouco maior para vocês...
  É o segundo capítulo pessoal! Certamente, esse é o maior que capítulo que vocês já leram vindo de mim, e é até para bom para vocês irem se acostumando com o ritmo do livro, pois existem capítulos um tanto curtos e capítulos mais longos. Esse, no caso, empata com mais três capítulos do livro como o 5º capítulo mais longo do livro, então vocês já devem imaginar o tamanho do mais longo...
  Bem, antes de começar, gostaria de agradecer a todos que leram o primeiro capítulo de A Luz de Cada Mundo! Só aqui no blog, o primeiro capítulo trouxe mais de 50 pessoas aqui no blog para conferirem o capítulo no dia da estreia, então muito obrigado mesmo!
  Enfim, fiquem a seguir com as 5.661 palavras do segundo capítulo de A Luz de Cada Mundo...




Capítulo II: Starlight City – Parte II

Depois de passar horas e mais horas naquele centro de tortura de jovens que chamavam de escola, eu segui o meu caminho para casa como fazia todos os dias, até que ouvi alguém gritando o meu nome. Quem era o maluco que gritava assim no meio da rua?
Virei para trás para ver quem era. Adivinhem: Chloe Lights
— Para de gritar — Eu falei calmamente quando ela chegou perto de mim, mas ela não se mostrou afetada pelo que eu disse, somente erguendo a sobrancelha. — Se eu ainda tinha alguma duvida de que alguém não sabia o meu nome nessa rua, agora eu não tenho mais!
Ela de repente riu. Começava a achar que essa garota tinha algo de bipolar.
— O que está fazendo aqui? — perguntei.
— Bom esse é o meu caminho de volta pra casa. — Ela se demonstrou confiante no que falava e eu acreditei. Afinal, por que ela mentiria sobre aquilo?
— Tudo bem. — Disse seguindo o meu caminho.
— Ah, Ryze... — Ela me chamou e me virei novamente para ela.
— O que?
— Eu pensei que a gente podia, sei lá... — Ela estava realmente tímida para falar aquilo que queria. —... Pensei que poderíamos ir juntos pra casa!
Aquilo havia me pegado de surpresa. Estava na cara que Chloe só tentava ser amigável, mesmo sendo tão ruim lidando com pessoas quanto eu, ou talvez eu só a assustasse mesmo. A diferença era que ela tentava se aproximar, enquanto eu sempre tentava me afastar, mas por algum motivo, as pessoas sempre voltavam para mim.
Antes que eu pudesse responder qualquer coisa, eu notei um brilho estranho vindo do braço direito de Chloe. Um brilho avermelhado e fraco, algo que só quem estivesse perto o suficiente como eu estava poderia ver.
— Seu pulso está vermelho. — Eu falei e ela levou a mão ao braço instantaneamente pra cobrir o brilho. — Está tudo bem?
— Tá sim, é só uma coisa que acontece raramente, eu não entendo muito disso... — Eu alternava meu olhar entre seu rosto e seu pulso coberto — Então, até mais Ryze.
— Você não queria ir comigo pra casa? — ela passou por mim e ficou andando de costas para falar.
— Eu preciso ir agora!
— Por quê?!
— Motivos de força maior! A gente se esbarra!
Ela continuou andando normalmente, dessa vez com as mãos no bolso. Fiquei olhando um pouco mais enquanto ela ia embora e fiquei imaginando o que poderia ser.
Não me prendi àquilo e só esperei Chloe sumir de vista para fazer meu caminho de volta pra casa.
Em passo rápido como sempre, eu logo cheguei em casa. Passei pela cozinha e ao chegar à sala encontrei a minha tia Miria, jogada no sofá com um notebook no colo. Ela é jornalista e fazia diversas das matérias que apareciam no jornal local, e depois de vários anos se dedicando à carreira, ela conquistou o direito de poder trabalhar em casa na maioria dos dias da semana.
— Chegou cedo, já é meio-dia?
— Já passou da uma hora. — Ela fechou o notebook e se levantou do sofá.
— Está com fome? Eu estava entediada e fiz bolo de chocolate, não é a minha melhor receita, mas é uma delicia! — eu me esqueci de dizer que a minha tia também adorava cozinhar. Ela não era a melhor quando se tratava de comidas cotidianas, mas quando se tratava de doces e sobremesas, Miria era ainda melhor que a minha mãe.
— Mais tarde talvez. — Subi as escadas para o meu quarto e pude ouvir um suspiro.
— Ryze vem aqui. — Desci as escadas revirando os olhos. Eu fiquei parado olhando para ela de braços cruzados enquanto Miria procurava as palavras certas para dizer aquilo que queria. — Eu sei que tem sido difícil! Nos últimos três meses, se conformar com o fato de que eles não estão mais aqui e que nenhum dos dois vai voltar. Mas eu estou tentando Ryze, eu too tentando me adaptar com um adolescente dentro de casa, com a vida nessa cidade, eu too tentando fazer com que isso seja o mais normal possível pra você e...
—... Acha que a morte é uma coisa normal? — interrompi sua fala e ela olhou para mim com certo espanto — A morte não é uma coisa normal, a morte é uma coisa que leva pessoas que não deveriam ir embora e simplesmente vão. A hora deles não havia chegado.
Voltei a subir as escadas, passei pelo corredor e fui para o meu quarto.
— Lembre-se, quero você pronto às seis e meia pra festa da sua prima! — Miria gritou.
Eu havia me esquecido completamente daquela festa. Será que ninguém havia notado que eu só estava querendo ficar em paz? Afinal, qual era o sentido de ter que ir à festa de uma pessoa que você nem gosta?
Sabia que debater não adiantava de nada com a minha tia, então seria melhor vestir o que eu quisesse antes que ela pudesse invadir o meu quarto e começar a escolher as minhas roupas por mim, eu odiava quando faziam isso.
Larguei minha mochila no chão e retirei minha camisa, deitando na minha cama em seguida. Dormiria, mas acabei por ver meu colar sobre o colchão, agora sem aquele brilho azul peculiar.
Eu ainda pensava nisso, pois não era muito normal um colar brilhar do nada, principalmente quando você sabe que ele não é assim e nem foi feito pra isso. E aquilo na mão de Chloe? Ela ficou muito estranha depois de eu ter falado da luz vindo da mão dela, pareceu estar assustada, nervosa, querendo esconder algo...
Acho que havia desmaiado de sono na minha própria cama, pois havia dormido e acordado do mesmo jeito: olhando para aquele colar. Decidi deixar aquilo de lado por enquanto, teria uma noite cheia.
Ouvi batidas na porta do meu quarto e voltei para a realidade.
— Ryze você já está pronto? — minha tia falou e eu olhei para o relógio de parede no mesmo segundo. Seis horas? Sério mesmo que eu havia dormido a tarde toda? — Você estava dormindo não é? — Miria invadiu o meu quarto — E ainda está com a roupa da escola, Ryze?
— Eu já vou pro banho, tá legal? — falei antes que ela pudesse me dar mais sermão e sai do meu quarto diretamente para o banheiro.
Lá, tranquei a porta e entrei no box para tomar meu banho. Será que eu só tinha sossego nessa vida quando estava dormindo?! Eu não sei se alguém notou ou se somente não se importa, mas tudo o que eu quero é ficar sozinho, sem festas, sem gente para eu me preocupar ou gente se preocupando comigo. Sai do box, me sequei com uma toalha e amarrei a mesma na cintura, logo me dirigindo ao meu quarto e, mais uma vez, trancando a porta. Notei que havia um cabide com roupas em cima da minha cama que agora estava bem arrumada.
— Valeu Miria, você sabe como eu amo isso! — gritei, sabendo que havia sido minha tia quem havia feito aquilo.
— Disponha! — ela gritou de volta e eu dei uma risada fraca. Era um colete azul escuro, blusa branca de manga cumprida e uma calça social preta. Se fosse numa festa normal eu não me vestiria assim, mas se você conhecesse a minha prima saberia que ela adora gritar por bobagem. Enfim, joguei a calça social pra longe e fui ao meu guarda-roupa pegar um jeans azul meu. Eu nunca usei calça social e não seria hoje que usaria.
Coloquei a minha roupa e deitei novamente na minha cama, esperando até a hora em que a minha tia decidisse fazer outra tempestade em copo d’água. Olhei no relógio e era cedo ainda, seis e quinze, olhei para o lado procurando algo para me distrair e, ai estava ele de novo, como se estivesse tendo alguma birra em continuar do meu lado a qualquer custo: meu colar.
Como sempre, o coloquei assim que o vi e fiquei tocando nele para ver se encontrava algo. Podem achar que é paranoia, mas se estivessem no meu lugar, com um objeto que carregaram durante toda a sua vida, como se fosse uma espécie de guardião, e de repente estivessem acontecendo coisas estranhas com ele, como brilhar sem motivos... Bem, acho que já deu pra perceber onde quero chegar.
Escondi meu colar por dentro da camisa social. Decidi descer antes que minha tia tivesse que me chamar de novo. Na sala, vi-a pronta pra subir as escadas.
— Eu já ia te chamar, mas pelo visto você já está pronto! — Miria disse, olhando para minha roupa. — O que aconteceu com a calça social.
— Aquela calça nem minha é. — Disse eu. Minha tia nada mais falou, pois percebeu que havia pisado em gelo fino. Na verdade, eu nunca tive calças sociais, e aquela era do meu pai. Eu não me incomodaria de usá-la, se ele ainda estivesse por aqui...
— É melhor irmos, sabe como a sua prima é chata com essas festas dela... — minha tia disse e eu dei risada. Aquela deveria ter sido a primeira verdade que Miria falou o dia todo — Vamos. — Ela disse e nós dois saímos de casa, indo para a garagem. Lá, entramos no carro e ela abriu o portão por um botão no carro. Quando saímos, Miria pressionou o mesmo botão para fechar o portão.
Na ida, minha tia ficou escutando suas típicas músicas antigas. Por alguma razão, eu acho que depois que se passa dos trinta fica difícil se apegar em qualquer outra coisa que não seja aquilo que você conviveu durante toda a sua vida. Quer dizer, pelo menos com a minha família toda foi assim...
— Que tal ouvirmos outra coisa?
— E desde quando você gosta de música? — minha tia me respondeu, brincalhona.
— Não gosto, mas é triste ver você escutar sempre as mesmas músicas quando entramos nesse carro.
— Gente velha é assim mesmo, ao mesmo tempo em que tentamos andar conforme a música, nós gostamos de olhar para trás uma vez ou outra.
Eu dei uma risada sem graça e virei para o lado. Miria filosofava com um sorriso no rosto, como se aquelas músicas estivessem fazendo-a purificar sua alma, a ser jovem novamente. Por um lado eu entendia. Ficamos por um tempo na estrada a caminho da casa de minha prima.
— Chegamos!
Minha tia saiu do carro e, depois de um tempo encarando aquela grande mansão que meus parentes chamavam de “casa”, eu fiz o mesmo. Era completamente pintada de branco e soube que meus avôs, Bryce Hope, pai de meu pai, e Burn Souls, pai de minha mãe, que por acaso eram grandes amigos em sua juventude, haviam construído ela completamente sozinhos quando eram jovens. Demorou cerca de dez anos, mas finalmente ficou pronta, e nesse meio tempo, eles conheceram minhas avós, Sonya e Sara, mãe de meu pai e mãe de minha mãe, respectivamente.
Daí, todos os filhos dos meus avôs e minhas avós, incluindo meus pais, moraram aqui. Eu ouvi dizer que ninguém gostou muito quando o filho mais velho de Bryce quis casar com a terceira filha de Burn, mas no final, todos continuaram unidos... Quer dizer, pelo menos do jeito deles.
— Vai ficar olhando o dia todo? Temos que ir.
— Eu já vou! — reclamei. Custava esperar um segundo?
Saímos da rua e entramos no terreno daquela grande mansão, que por um milagre, não havia seguranças. Adentramos o jardim com as chaves de Miria, e o atravessamos em direção a enorme porta marrom. Quando aberta, pude ouvir o barulho de uma daquelas músicas teen que minhas primas tanto gostavam, e que chegou aos meus ouvidos como o som de um longo e doloroso apito.
Merda... — Resmunguei, mesmo vendo minha tia Branca, a mulher de cabelos castanhos e olhos azuis com um vestido de gala vermelho, quando ela atendeu a porta.
— Miria! Ryze! Estávamos falando de vocês agora mesmo! — pelo que eu conheço dessa mulher, coisa boa ela não falaria. Digamos que, apesar de tudo, eu tive sorte de ter Miria como minha guardiã legal. Dentre Branca, Clara, Diana, Alice e ela mesma, Miria sempre foi a que teve uma melhor áurea.
Alice e Miria são as únicas que não tiveram filhas, e Diana e minha mãe foram as únicas a terem sorte no amor. Já Branca e Clara, casaram-se, tiveram uma filha cada, e separaram-se. Hoje em dia, ninguém mais ouve falar de seus maridos.
— Oi Branca. — Minha tia disse, dando um abraço carinhoso na irmã. Tão ingênua — Faz tanto tempo...
— Desde o enterro de Rebecca...
— Não é pra falar o nome de quem já morreu. — Eu disse, fazendo minha tia ficar sem graça e cabisbaixa, mas mesmo assim ela não tirou o sorriso do rosto.
— Ryze! Que bom que está aqui! — ouvi uma voz masculina. Era o meu tio Streah, o único irmão do meu pai e filho caçula de Bryce, com seu cabelo ruivo despenteado e seus olhos azuis.
Streah sentiu muito a perda de seu pai e de seu irmão, tendo perdido sua mãe muito mais cedo. Ele tinha vinte e sete anos, não tinha esposa ou filhos para ajudarem a passar por aquele momento difícil. Estava sozinho... Tão sozinho quanto eu. Mas a diferença é que, depois de tudo, Streah ainda tinha forças para sorrir...
Um otimista nato.
— É bom te ver tio! — abracei-o — Soube que você se mudou pra Starlight City.
Com meu tio eu sempre fui mais aberto, sabia que podia falar qualquer coisa pra ele. Não que Miria não fosse assim, mas ela não me entendia tanto quanto ele.
— Sim, sabe como é, recuperar o tempo perdido... — Era incrível ver como o acidente não lhe afetou em longo prazo. O mesmo sorriso de garoto de sempre, aquilo era um milagre completo. — Miria, você também veio! E linda como sempre...
— Para de puxar meu saco seu tarado! — Miria disse e foi inevitável: eu ri. Os dois sempre insistiam em brigar quando se encontravam. Soube que, assim como meus pais, eles namoraram quando eram adolescentes, mas acabaram terminando quando Miria se mudou daqui. — Como vai você nas suas “noites silenciosas” em seu apartamento?
— Só tenho uma garota na minha vida agora, Miria!
Aquilo me espantou e olhei para todos ali como se quisesse respostas, mas enquanto Miria se mostrou tão surpresa quanto eu, Branca não me daria respostas e Streah me daria algum fora sem graça se eu perguntasse.
— Que bom, então suponho que parou de bater na casa dos outros completamente bêbado...
— É, o amor muda algumas pessoas. — Disse Streah, e eu pude ver Miria entrar batendo ombros com meu tio. Alguém mais acha que ela não superou? — Quer conhecê-la, Ryze?
— Seria bom... — Disse, finalmente entrando na casa. Era exatamente como você poderia imaginar o salão de festas de uma mansão, com uma escadaria enorme e corredores para a esquerda e para a direita. Nada de muito interessante...
— Chloe, pode vir aqui, por favor?
— Perai, quem?
— Fala tio... Ryze?! — acho que vocês já conhecem a cena e quem era: Chloe Lights, a garota insuportavelmente alegre da minha escola que por algum motivo estava na festa de quinze anos da minha prima insuportavelmente falsa. Ela estava com uma camiseta vermelha, um colete azul e uma saia branca. — O que está fazendo aqui? — ela me deu um abraço e fique sem poder me mexer.
— Tentando respirar...
— Desculpa... Mas é que eu não esperava te ver por aqui!
— Então vocês já se conhecem? Bem, isso facilita tudo! Eu vou ver como a sua tia Miria está, tudo bem Ryze?
— Está bem... — Eu disse, vendo ele se afastar e mais uma vez vendo a figura de Chloe a minha frente — Como conhece minha prima?
— Não conheço, é que o tio Streah...
— Tio Streah?
— Da pra me deixar falar uma frase antes de me cortar? — Chloe falou. Eu então fiquei calado e ela encarou como um “continue”. — Obrigada. Ele é um amigo do meu pai, que por acaso teve que ir a uma viagem de negócios e não pode me levar, então vou passar um mês na casa dele...
— E a sua mãe?
— Digamos que ela também esteja bem longe daqui! — ela disse divertida. — E você faz o que aqui?
— Sou primo da Emma... Aliás, cadê ela? Eu só vou esperar ela aparecer e vou cair fora daqui!
— A aniversariante? Ainda não chegou, acabo de descer do quarto dela e as suas outras primas estão praticamente morrendo na ausência dela. Parecem abelhas atrás da rainha... — Nem iria comentar nada quanto a isso. — E eu queria tanto dançar, mas mesmo se ela chegar, nem par eu tenho... — Chloe demonstrou a tristeza em sua face e eu arregalei os olhos em ironia. Adolescentes, somos todos uns idiotas, nos preocupando com coisas que não valem à pena... — Você podia dançar comigo, Ryze!
De onde isso surgiu?
— Vai sonhando. Eu não danço!
— Tudo mundo dança, só existem modos diferentes de dançar. Por exemplo, aquela mulher ali — Chloe apontou para minha tia Clara, a loira de vestido branco que estava dançando sozinha e calma no salão — Ela dança de uma maneira mais rígida, ela realmente se importa com a sua postura, é um pouco perfeccionista demais, mas isso a impede de pagar mico. Agora, aquela outra mulher ali — Desta vez, ela apontou pra minha tia Miria, que por acaso usava um vestido azul e estava dançando com o meu tio Streah. — Ela dança por diversão, não está nem ai pra agradar os outros ou para o cara que chamou ela pra dançar... Apesar de que o tio Streah escolheu bem!
— É a minha tia, ok? E eles são primos.
— Sério?
— Sim, de consideração. Tipo, meus avôs eram praticamente irmãos e moravam nessa mesma casa com as minhas avós, então meu pai era primo de consideração da minha mãe... E Miria, junto com todas as suas irmãs, é prima de consideração do tio Streah.
— Perai, seus pais moravam na mesma casa quando jovens? — eu entendia Chloe, era meio difícil entender toda aquela bagunça.
— Sim. Minha mãe é a terceira filha do meu avô Burn e meu pai é filho mais velho do meu avô Bryce, mas ele já morreu.
— E as suas avós?
— A minha avó materna, Sonya, morreu no parto da minha tia caçula, Alice, enquanto a minha avó paterna, Sara, saiu daqui sem mais nem menos... E nem mesmo meu tio Bryce entendeu o porquê.
— Nossa... Que coisa triste Ryze. — Percebi que Chloe ficou meio sentida por isso, mas não entendi muito bem o porquê. Ela não conhecia nenhum deles, então por que deveria ficar sentida? — E o seu avô Burn? Ele ainda é vivo?
— Sim e não. Ele está vivo, deve estar descansando lá em cima, mas depois da morte do meu avô Bryce, ele foi declarado “psicologicamente instável”. Ou seja, não pode sair desacompanhado e nem tomar decisões sobre a própria vida, então eu fico preocupado com ele aqui com esse monte de débeis mentais...
— Suas tias?
— Isso. Acho que Alice e Diana são as únicas que se salvam aqui.
— Ryze, tudo bem? — pude ouvir a voz de minha tia Alice, só a reconheci porque estava doce como sempre e seu sorriso, junto com o do meu tio Streah, era o mais natural daquela casa. Com um vestido rosa, ela chegou me abraçando forte. — Está crescido! Teve a quem puxar. — Ela se referiu ao meu pai.
— Valeu tia Alice.
— Espero que esteja preparado pra dança...
— Dança?! — como assim? Ninguém me falou que eu precisaria dançar.
— É... A dança da festa de quinze anos. Eu também acho horrível, mas todos os jovens tem que participar... Inclusive você Ryze.
— Tudo bem... Eu já volto. — Sai dali em passo rápido, indo em direção a Miria. A mesma, quando percebeu meu olhar furioso, virou as costas. — Não adianta disfarçar não, eu já te vi!
— Ryze, como é bom ver você, aproveitando a festa? — ela deu um sorriso, tentando desviar o assunto, mas ao ver que a minha face não mudou, Miria desistiu. — Tudo bem, fala.
— Por que você não me falou que eu teria que dançar nessa porcaria?!
— Ué, eu achei que você soubesse, é uma tradição nas festas de quinze anos de Starlight City.
— Ah é? Então não notou que eu não trouxe ninguém comigo pra dançar, espertalhona?
— Você pode dançar com qualquer uma... A loira com quem você estava conversando, por exemplo. — Ela se referiu a Chloe, que quando vi estava inocentemente conversando com a minha tia Alice.
— A Chloe? — será que era um complô para me fazer pagar papel de idiota?
— É vocês formam um belo casal...
— Não somos um casal. — Interrompi. Você gostaria que começassem a falar por ai que você é namorado da patricinha da vez? — Esquece! Eu não vou dançar.
— Então é melhor se esconder porque eu não vou dar essa noticia pra sua tia Branca. Você vai? — Miria só me colocava em furadas. Olhei para Branca, que por acaso estava brigando com um garçom do outro lado do salão. Suspirei.
— Me dá a chave. — Falei sem paciência. Depois de um tempo me encarando, Miria cedeu. — Vou me esconder no carro. — Fui para a cozinha, pois lá havia uma saída para a porta dos fundos. Andei até o carro de minha tia, destravei as portas, e entrei no mesmo, trancando as portas novamente. Fiquei lá no banco de trás do carro, encostado na porta, sozinho com minha mente. Devo ter ficado lá por um bom tempo, vi até um carro chegando e trazendo minha prima Emma e, mesmo assim, fiquei lá dentro. Duvidava que ela fosse sentir minha falta.
Aquela festa tudo o que eu já esperava que fosse: uma bagunça completa. Sabe quando te convidam pra alguma coisa que sabem que você não vai curtir, mas convidam mesmo assim por uma questão de “educação”? Então, acho que seria mais educado não convidar para começo de conversa.
Desviei-me de meus pensamentos por umas batidas no vidro do carro. Era Chloe, que estava com uma cara de interrogação, ao mesmo tempo em que me olhava fixamente. Pensei em falar alguma coisa para ela, mandá-la embora, mas no fim, tudo o que fiz foi destravar as portas.
Chloe entrou e sentou-se de frente para mim. Ficamos nos encarando durante um bom tempo, sem dizer uma palavra. Ela não perguntou nada, ficou ali sentada, olhando para mim por uns dez, quinze minutos. Eu também não perguntei nada, só fiquei correspondendo ao seu olhar por um bom tempo.
Quando iria perguntar o porquê dela estar ali, vi a pulseira que Chloe usava exalar seu brilho avermelhado mais uma vez, exatamente como mais cedo. Ela logo tratou de esconder a pulseira, colocando a mão direita atrás das costas. Aquilo já estava virando uma palhaçada.
— Algum problema? — perguntei.
— Não, por quê?
— Sei lá, você entra aqui sem mais nem menos... — Me aproximei um pouco mais de Chloe, enquanto a mesma parecia assustada com o ato. Ela pareceu procurar uma saída dali, mas quando notou as portas trancadas, voltou a me encarar.
— O que está fazendo?
Ela mal terminou sua frase e então eu puxei o seu braço com força de trás de suas costas, revelando o brilho avermelhado que ainda estava ali presente. Chloe não parecia surpresa, talvez frustrada, mas nada surpresa com a minha ação ou com o brilho.
— Gostou da pulseira foi? — se soltou de minhas mãos.
— Até parece Chloe. Isso não é normal, uma pulseira que brilha de uma hora pra outra do nada?!
— Tudo bem! Para de gritar! Quer que eu te explique o porquê disso? — ela perguntou, se ajeitando no banco do carro. — Na verdade, eu também não sei exatamente o porquê disso...
— Como assim? — voltei a me encostar à porta do carro.
— Sei lá. Eu ganhei essa pulseira na maternidade aonde eu nasci aqui mesmo em Starlight City. Sempre a usei pra ir para todos os lugares, eu gosto dessas pedrinhas nela, mas nenhuma tinha brilhado até hoje de manhã. E o mais estranho — Ela retirou a pulseira de seu pulso, e o brilho que havia nela, se apagou, fazendo com que a mesma parecesse uma pulseira completamente normal. Foi só ela colocar a pulseira novamente, que o brilho avermelhado voltou.
Eu pensei naquilo, a história da pulseira de Chloe batia exatamente com a história do meu colar.
— Tenho que te mostrar uma coisa. — Falei, enquanto retirava meu colar de dentro da minha camisa. Quando vi, ele também brilhava, a única diferença era que o brilho do meu colar era azul. Chloe havia ficado surpresa ao me ver usando uma peça semelhante a que ela tinha, e alternava seu olhar entre minha face e meu colar. — Nossas histórias batem Chloe! Ganhamos na maternidade, usamos por toda a nossa vida sem nenhum problema, até hoje de manhã, quando brilharam pela primeira vez. E, além disso... — Retirei o colar do meu pescoço — Ele não brilha se eu tirar ele do pescoço.
Eu de repente notei algo muito estranho: quando retirei meu colar do pescoço, a pulseira de Chloe também parou de brilhar, mesmo com ela usando-a.
— Eles têm uma conexão! — Chloe disse, pegando meu colar e colocando de volta no meu pescoço. Além de o meu voltar a brilhar, a pulseira dela também voltou.
As duas peças estavam conectadas, uma não brilhava sem a outra, e provavelmente nenhuma brilhava sem nós. Chloe tinha um olhar luminoso para toda aquela situação, um olhar maravilhado semelhante ao de uma criança fazendo novas descobertas. Eu quase havia me entregado àquele olhar também, mas foi ai que a ficha caiu...
— É só um colar e uma pulseira que brilham.
Dito isso, Chloe perdeu seu olhar mágico e me olhou com fúria.
— Não percebeu seu idiota?! Tem que ter algo por trás disso, parece até...
— O que? Magia?! — eu disse, dando uma risada irônica, enquanto Chloe continuava séria. Havíamos invertido os papeis? Enfim, logo voltei a falar sério — Chloe, eles são no máximo fabricados pra brilharem quando estão perto um do outro.
— Então por que eles só brilham quando estamos usando eles?
— Sei lá! Mas magia é coisa de contos de fadas, até parece que você não vive nesse planeta. Alô, Terra chamando Chloe! — bati em sua cabeça como alguém batia em uma porta, mas ela logo tirou minha mão de perto dela.
— Vamos por partes! Você disse que tem esse colar desde a maternidade, não é isso?
— Sim, e o que é que tem?
— Onde você nasceu?
— Sei lá!
— Isso é importante! Se tivermos alguma conexão além do seu colar e da minha pulseira temos que descobrir. Eu nasci no “Health K. Lives”, que por acaso é o nome do pai do Buddy K. Holmes, que hoje trabalha nesse hospital e dá nome a nossa escola. E sim, eu prestei atenção nas aulas de história. — Disse ela, sarcástica.
Eu estava tentando entrar na perspectiva de Chloe, saber aonde ela queria chegar com as peças do quebra-cabeça que tinha em mãos, porém, às vezes eu achava que nem ela mesma sabia quantas peças possuía.
— Raciocina Ryze. E se esse tal de Buddy fez o nosso parto? Pode ter sido ele que nos deu esses colares.
— Você está maluca! Esse tal de Buddy é um médico, não uma babá, pra que ele ia dar presentes assim pra duas crianças?
— É isso que eu estou tentando descobrir, será que dá pra me ajudar?!
Chloe parecia estar com a cabeça a mil. Ela estava tentando chegar a algum lugar, mas eu não achava que houvesse algum lugar para se chegar. Mesmo se tudo o que ela falou até agora estivesse certo, por que Buddy K. Holmes daria presentes a dois recém-nascidos? Ele nem nos conhecia, e tenho certeza que também não conhecia nossos pais, bem, pelo menos não os meus pais.
Em um momento daqueles, eu ficaria quieto deixando Chloe averiguar o que acontecia. Mas tenho que admitir: a curiosidade não deixou. Por mais que eu quisesse negar, colares que brilham de repente e um médico que dá presente para dois recém-nascidos são coisas meio difíceis de se engolir sem mais detalhes, então resolvi ajudar.
— Que dia você nasceu? — Chloe olhou para mim surpresa, talvez ela não esperasse iniciativa da minha parte. Não podia culpá-la, nem eu mesmo esperava. — Você não queria ajuda? Então, isso pode ajudar!
Dito isso, ela abriu um sorriso, um sorriso que parecia ser de orgulho...
Estranho.
— Eu nasci dia 29 de Setembro de 1997, e você?
Como? 29 de Setembro de 1997? Como isso era possível?
— Ryze, tudo bem? — Chloe perguntou. Talvez eu tivesse deixado escapar minha surpresa pela minha cara, mas foi inevitável.
— Dia 29 de Setembro de 1997...
— Como?
— Nascemos no mesmo dia, Chloe. — Respondi. Pela primeira vez naquele carro, eu realmente achava que estávamos com todas as peças do quebra-cabeça nas mãos. Eu acreditava em coincidências, mas tantas assim eram demais pra uma pessoa só.
Eu e Chloe nos encaramos, o que tudo aquilo poderia significar?
— Ryze, temos que ir embora... — Minha tia Miria bateu no vidro do carro, e tinha uma cara espantada pela presença de Chloe ali. Eu destravei as portas e ela entrou pelo banco da frente. — Oi, tudo bem? Você deve ser a Chloe, o seu tio Streah estava te procurando, ele tem que ir trabalhar amanha cedinho, então precisa chegar em casa logo.
— Tudo bem Miria, eu já ia procurá-lo mesmo. Tchau Ryze, até amanhã. — Disse Chloe, abrindo a porta do carro e saindo do mesmo, sem olhar para trás e andando firme em direção até a porta. Isso era muita coisa na cabeça dela... E na minha também.
— Que milagre, Ryze com uma garota! — Miria brincou no banco de motorista. Revirei os olhos e logo pulei para o banco da frente. — Calma Ryze, namorar na sua idade é normal.
— Ela não é minha namorada, é só uma garota estranha que conheci na escola.
— Então vocês têm muito em comum! — Miria deu a partida no carro, sorridente. Será que toda essa felicidade era por achar que eu estava namorando? Se fosse, eu não ia continuar a negar, pois quando minha tia dá pra formar um casal, ela não muda de opinião.
O caminho de volta pra casa foi silencioso, sem transito e nem música no carro.
— Perdeu a dança de quinze anos da sua prima, foi tão lindo!
— Só que não.
— Você não estava lá.
— Mas eu tenho certeza que foi uma valsa, e toda valsa é horrível. — Virei o rosto para a janela.
— Nem toda a valsa é assim. Aquelas que são dançadas por duas pessoas que se amam são lindas!
Eu olhei para Miria, que estava com o mesmo sorriso de quando entrou no carro.
— Então você dançou com o tio Streah foi? — falei e ela me deu uma encarada feroz, a primeira do dia que recusei, preferindo voltar a olhar pela janela.
Depois de mais um tempinho, “chegamos ao nosso lar”, como diria meu pai. Miria estacionou o carro na garagem e logo entramos em casa. Lá, o relógio da sala marcava dez e meia, um pouco cedo, mas pra Miria já era tarde.
— Hora de dormir, Ryze.
— Para de me tratar como criança, grande parte dos adolescentes ficam acordados até três horas da manhã.
— Correção: grande partedos adolescentes ficam acordados até três horas da manhã, no Facebook. Como você não tem Facebook, direto pra cama! — Miria brincou novamente. É, a dança com Streah deve ter deixado ela animada.
Eu estava pronto para subir as escadas e ir para o meu quarto, mas no meio do caminho, lembrei-me de uma coisa, uma pergunta que Chloe havia me feito, mas que eu não pude responder.
— Miria...
— Eu?
— Aonde eu nasci?
— Aqui mesmo em Starlight City, você sabe disso.
— Não, eu quero dizer... Qual é o nome do hospital em que eu nasci? — perguntei. Miria pareceu ficar intrigada com tal pergunta, provavelmente não entendeu o motivo de minha curiosidade.
— Pra que você quer saber?               
— É um trabalho de história, temos que fazer uma pesquisa que fala sobre nós desde o dia do nosso nascimento, até os nossos dias atuais.
— Bom se é pra um trabalho de escola, acho que o meu sono pode esperar. Afinal, você nunca fez um trabalho na vida... Muito menos de história! — dei de ombros e Miria subiu as escadas, passando por mim — Vem comigo.
Assim, Miria me levou até o antigo quarto dos meus pais. Ninguém dormia lá, nem mesmo ela, pois decidimos que seria melhor deixar tudo intacto, assim sempre teríamos uma memória deles. O guarda-roupa de madeira pura, a cama de casal modesta com um criado mudo de cada lado, a cômoda com uma televisão de tubo, tudo continuava igual.
Enfim lá dentro, Miria abriu uma gaveta do criado mudo de minha mãe, onde eu lembro que ela guardava de tudo: documentos importantes, contas, álbuns de família, se duvidar guardava até o meu primeiro fio de cabelo. Após uma rápida procura naquela gaveta, Miria achou uma pasta transparente com vários papeis dentro.
— Aqui a sua mãe e seu pai guardavam tudo que tinha haver com você, tiravam uma foto por ano e colocavam aqui, cópias do seu RG, CPF e... Aqui está uma cópia da sua certidão de nascimento.
— Espertalhona, aqui em Starlight City não se coloca o nome do hospital nas certidões de nascimento.
— Mas seus pais queriam um registro completo, então escreveram a caneta bem aqui. — Ela apontou onde estava escrito: “Hospital — Health K. Lives”. Minhas suspeitas se confirmaram, eu e Chloe havíamos nascido no mesmo hospital.
— E aonde é que fica esse hospital?
— Pelo que eu me lembre, fica bem perto da sua escola, Ryze. Dez minutos de caminhada e você chega lá.
— Entendi... Valeu tia.
— De nada, Ryze. Agora vai dormir! — ela ordenou e eu preferi obedecer. Fui para o banheiro, escovei os dentes e voltei o corredor em direção ao meu quarto. Lá, troquei minha calça jeans por uma bermuda azul e minha camiseta social por uma verde normal.

Joguei-me na cama e, já de baixo do cobertor e com as luzes apagadas, eu acabei adormecendo apesar de todos os pensamentos que insistiam em manter-se na minha cabeça: sobre meu passado naquele hospital, meu presente com Chloe, e pensava se aquilo poderia influenciar no meu futuro...

Um comentário: