quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Feliz Ano Novo! 2016


  Oi pessoal! Tudo bem com vocês? Pois eu devo dizer que hoje acordei, surpreendentemente, cedo, e pronto para escrever uma carta aberta para todos que seguem o blog. E ao som do incrível "...Baby One More Time", aqui estou, digitando para um tema simples, porém especial: 2016.

  Antes, gostaria de justificar minha ausência neste último natal. Pessoal, acontece que o natal para mim nunca foi uma data tão festiva; para mim, sempre foi mais um momento de reflexão, porém ainda assim alegre, para lembrarmos de todas as coisas boas e ruins que ocorreram no ano que se passou. Já o ano novo é um momento de descontração, que para falar a verdade nem considero como feriado, e sim como uma pequena pausa para observar esse novo ano que se abre.

  2015 foi um ano incrivelmente feliz para mim, e o principal motivo todos já sabem: A Luz de Cada Mundo. É incrível pensar como este é o meu primeiro livro publicado, o chamado "ponto inicial" da minha carreira e como tudo daqui para frente pode ou não ser diferente - só depende de mim, eu sei...

  Mas de um jeito ou de outro, a alegria que eu sinto por isso não pode ser substituída por nenhum outro sentimento, e quando eu lembrar de A Luz de Cada Mundo, eu vou lembrar de me sentir alegre. E enquanto a sequência pode sair (ou não) no final de 2016, eu já vou adiantando que tenho dois projetos para o ano que vamos adentrar em menos de 24 horas: A Verdadeira Morte, minha primeira antologia dramática que deve sair ainda no primeiro semestre - se não sairá no segundo -, e um novo livro, do qual ainda não posso falar abertamente, mas do qual eu já posso adiantar que será um trabalho totalmente inédito.
  A Luz de Cada Mundo II, em contrapartida, é um livro no qual eu estou trabalhando muito, mas ainda há muito a ser feito antes do lançamento da segunda parte, justamente porque eu quero que essa nova parte supere o primeiro em todos os sentidos. Estou treinando mais minha escrita, sobre tudo em cenas de ação e de lutas, e estou construindo um enredo bem sólido e trabalhando arduamente em novos personagens e em uma evolução considerável de Ryze Hope.

  No entanto, A Luz de Cada Mundo não foi a única coisa que me deixou feliz este ano. Todas as conquistas em 2015 referentes a educação, que prometem se expandir em 2016, também me deixaram muito feliz (eu só queria que alguém me convidasse para esses manifestos rsrs); as grandes obras de arte que recebemos na literatura este ano, tal como o incrível conto que li do meu semi-chara Renan Bernando, A Sala do Tempo; as grandes obras que recebemos na música, como o sucesso não esperado Revival, da Selena Gomez, e a revelação BADLANDS, da Halsey; e o tempo passado com todos os meus amigos esse ano, Diego, Vitória, Henrique, Raphael, Bárbara, e companhia: muito obrigado pelo ano incrível. Se para bom entendedor meia palavra basta, para um bom amigo meio momento é suficiente para me deixar feliz por dias, e vocês conseguiram me dar um ano inteiro de felicidades. Obrigado.

  E para todos aqueles que ficam, obrigado pelo 2015 que me deram e que 2016 venha carregado de mais alegrias! Mesmo ocupado, sempre terei um tempinho para escrever aqui - nem que seja uma vez por mês.
  Um feliz ano novo para você, sua família e todos aqueles que visam por você!



segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Lançamento de "Armadura de Ferro"

  Oi pessoal! Tudo bem? Estou muito feliz pelo lançamento do meu mais novo conto, Armadura de Ferro. Lembram-se que eu disse que o conto iria ser lançado gratuitamente hoje? Pois então, não foi possível fazer um lançamento gratuito hoje, de forma que teremos que esperar até amanhã, dia 24/11, para que o conto fique gratuito na Amazon. Com isso, o prazo de gratuidade se estende até o dia 28/11. Abaixo, vocês ficam com a sinopse do conto.

sábado, 21 de novembro de 2015

Novo Projeto: A Verdadeira Morte.

  Oi pessoal! Tudo bem? Está semana foi meio cansativa para mim, mas não posso dizer que foi totalmente ruim. É sempre bom você descobrir novas coisas sobre si, sobre as pessoas ao seu redor e mudar de ares. Eu estou fazendo isso, e apesar de estar sendo meio difícil, devo dizer que estou indo bem.
  Como prometi no último post, hoje estou aqui para revelar um dos meus mais novos projetos, um o qual venho trabalhando há algum tempo desde que descobri uma de minhas novas paixões: contos. Recentemente tenho lido muitas histórias curtas e lido um pouco menos livros de narrativa longa, e com isso, também venho escrito mais histórias curtas, o que resultou nesse novo projeto...

domingo, 15 de novembro de 2015

(Resenha) Handwritten - Shawn Mendes

  Oi pessoal! Tudo bem com vocês? Eu não estou me sentindo muito bem nas últimas semanas para falar a verdade. Em parte por conta do calor - que sempre acaba com os meus dias, já que sou um fã eterno do frio em um país que quase não parece ter inverno -, em parte por conta do meu outubro extremamente difícil e em parte por conta de alguns problemas que tive na minha vida pessoal ultimamente.
  Mas antes de começar o post de hoje, venho pedir desculpas mais uma vez por sumir do mundo sem dar explicações. Acontece que, como disse acima, outubro foi um mês difícil para mim e minha vida pessoal anda meio conturbada. Porém, no que se diz a vida profissional, devo dizer que não poderia estar mais feliz! Afinal, eu estou sendo bastante produtivo nesse novembro, principalmente no que se trata de A Luz de Cada Mundo II, mas não pretendo revelar mais detalhes sobre esse novo projeto agora. Só peço para que fiquem atentos no blog na próxima semana (16/11 até 22/11), pois estou prestes a revelar um de meus novos projetos e quero muito que vocês fiquem por dentro dele, ok?
  Já o assunto de hoje vem mais voltado para a música. Quem me conhece sabe que livros e música são minhas maiores paixões neste mundo, e em um outubro conturbado, eu acabei ouvindo vários CDs novos, pois o que melhor pra fazer quando sua vida está complicada do que ouvir música, não é mesmo?
  Dentre os vários álbuns que eu ouvi (Revival, Confident, Digital Vein, Unbreakable Smile), teve um que me chamou bastante atenção: Handwritten, do Shawn Mendes, e neste post, irei dar minhas impressões sobre esse CD que, certamente, me surpreendeu.

Handwritten - Shawn Mendes

Resenha:
  Para começar, gostaria que soubessem que não sou muito de ouvir álbuns de cantores masculinos jovens (15-21 anos) pop desde que Justin Bieber chegou com o seu "My World" lá em 2009. Nunca gostei de um álbum do Bieber até o lançamento de Purpose, Austin Mahone nunca realmente me impressionou (a não ser pela faixa Shadow) e meu receio em ouvir o Handwritten, de Shawn Mendes, era justificável: todos os citados foram descobertos por algum site de videos e são idolatrados por garotas que as vezes parecem gostar deles apenas pelo rosto de bebê.
  Mas enfim... Fato é que o meu YouTube reproduziu automaticamente "Life of the Party" - primeiro single do material - no meu computador e, antes que eu pudesse sequer pular a música, devo admitir que gostei da faixa. 
  Já tinha ouvido falar de Shawn Mendes, mas nunca tinha ouvido algo seu naquela época. A partir daquele momento, ele foi ganhando cada vez mais pontos comigo: ele compunha mesmo o que cantava, tinha uma voz equilibrada, e tinha um som mais acústico do que o do restante, tudo o que gosto de ouvir.
  Foi então que fui atrás e finalmente ouvi o Handwritten. Para saber minhas impressões, veja o faixa-a-faixa abaixo:
(obs: para parar a música do blog, procure o botão de "start" no canto inferior da tela)

Life of the Party


  Por algum motivo (provavelmente a gravadora), essa, Stitches e Air foram as únicas músicas do álbum a não serem compostas por Shawn. Se tivesse sido, no entanto, eu ficaria abismado com tanto talento para composição vindo de um adolescente de dezessete anos, já que a letra sobre autoestima guiada pela voz emocional do cantor - que parece estar se fortalecendo verso por verso - é tão profunda, significativa e identificável para casais adolescentes que é digna de um Grammy. Não que eu acredite que isso vá acontecer pelo status teen de Shawn, mas se o cantor fosse quatro ou cinco anos mais velho, a nomeação certamente estaria cravada.


Stitches


  Aqui o ritmo aumenta em uma música guiada pelo violão, e que acaba explodindo num refrão que evolui a cada repetição.
  Top 5 do Hot 100, a canção é uma das mais comerciais do disco, mas não peca em qualidade. Aqui Shawn canta sobre uma desilusão amorosa em uma música que não foi composta por ele, mas que certamente faz com que todos - seja adolescente ou jovem adulto - se identifiquem, ainda mais por conta de letra minimalista e que cria todo um ambiente para música. 
  A voz de Shawn se demonstra mais poderosa aqui, indo de tons leves até tons fortes sem que pareça que ele está sussurrando ou gritando, até mesmo no bridge, um dos pontos altos da música. Não é a toa que foi hit.


Never Be Alone


  Em Never Be Alone, um passo para trás.
  A primeira faixa composta por Shawn não desaponta em conteúdo lírico, mas sim por sua concepção pouco envolvente. Aqui o refrão não se destaca até o último momento e a magia fica toda por conta dos versos e da voz de Shawn, que mais uma vez vai evoluindo a cada verso. A melodia, no entanto, é bem folk-pop ao maior estilo Ed Sheeran, e os assobios que cobrem a faixa se destacam diante do resto das batidas e melodias.


Kid In Love


  Para compensar a última faixa, Kid In Love tem uma batida envolvente em meio a um violão, piano e bateria, que casam perfeitamente com a letra adolescente e bastante teen. No entanto, quem produziu parece ter tido ciência disso, de modo que não deixou as batidas muito pesadas e em um clima mais up. Não é exatamente memorável, mas também não chega a ser filler e é boa de se escutar num momento de paixão.


I Don't Even Know Your Name


  Essa consegue ser ainda mais Ed Sheeriana que Never Be Alone.
  A letra não é tão bem composta quanto as já citadas, mas a produção da faixa junto com os vocais bem trabalhados de Shawn - destaque novamente para o bridge prolongado - fazem valer a pena guardar a faixa no celular para uma manhã de sol fraco no quintal de vossa casa.


Somethin' Big


  Aqui os vocais de Shawn estão mais diferentes, mais maduros e ele parece ter mais idade, sem falar de ser uma faixa bem comercial, feita para bombar com os fãs de música acústica em geral. A falta de sucesso da faixa como single é bem inexplicável, ainda mais por se tratar do momento mais maduro de Shawn - vocalmente falando - até o momento.
  Inevitável pensar em lideres de torcida, bandas de colégio dos EUA e numa fogueira acústica quando se houve, pois a faixa certamente é envolvente.


Strings


  Virou algo comum os cantores tentarem fazer um rap-pop em certas faixas de seus álbuns. Algumas vezes funciona, outras vezes realmente não era para acontecer, e esse é o caso de Strings.
  A faixa tem poucos momentos bons e não é memorável em um CD que estava tão grandioso até agora. A letra até que tem um significado bonito, mas não compensa muito mais que uma quarta ouvida. Vai depender do seu gosto por pop acústico...


Aftertaste


  De novo o problema do refrão, Shawn?
  Os versos são memoráveis em uma canção em que Shawn faz um quase-rap aqui e ali, mas o refrão novamente atrapalha o desenvolvimento da canção. Tudo na canção é perfeito: primeiro verso, segundo verso, bridge, finalização, vocais, violão, composição... Menos o refrão! Aftertaste se destacaria mais como uma dessas faixas com um refrão condizente com o resto da faixa, como Life of the Party ou I Don't Even Your Name.


Air (part. Astrid S)


  A única parceria do álbum: um dueto do canadense com a cantora noruega Astrid S, que é quase tão nova quanto Shawn no meio músical, mas ainda não está fazendo muito barulho - ainda. 
  A canção é exatamente o que eu disse: um dueto. É a prova de que Shawn e Astrid são excelentes vocalistas, sendo que as melhores partes da música são aquelas em que ambos estão acompanhados apenas por um violão, muito bem afinado por sinal. Sem duvida um dos destaques do álbum e provavelmente ficará na cabeça daqueles que ouvirem sua bela melodia, que é leve como o air e perfeita para se ouvir em uma tarde fria... De preferência enrolado em um cobertor com a namorada, mas ai fica a critério de vocês (rsrs)


Crazy


  Depois de uma obra-prima, uma das faixas mais fracas do CD. A gente espera por uma explosão que nunca chega nesta canção enganosa, que tem como ponto forte apenas sua composição. Nada mais a comentar...


A Little Too Much


  Primeira e única faixa do CD composta exclusivamente por Shawn, e também uma das que mais impressiona nesta segunda metade do álbum. Parece ser mais pessoal para ele e muitos certamente irão se identificar com essa faixa, que por acaso é uma das melhores baladas do álbum, com um violão bem executado e Shawn utilizando o melhor de sua voz. 
  Parece que o Sr. Mendes teve um bom instrutor vocal para fazer esse CD, que apesar de teen está bem trabalhado, principalmente nos quesitos vocais e líricos.


This Is What It Takes


  This Is What It Takes é um encerramento regular. Posicionar a faixa mediana como fechamento da edição padrão é algo arriscado, já que ela não grita para tocar o disco novamente e até mesmo A Little Too Much com sua melodia mais parada teria sido melhor. Não é de todo o ruim, claro, se salvando na composição. Mas esse CD é uma prova de que não só de composições vive uma faixa, principalmente se tratando desta faixa.
  Desaprovada.

  E assim se encerra a edição padrão. Na deluxe, no entanto, se encontram algumas preciosidades, como Bring It Back, uma faixa que mistura o pop com o rock-alternativo e revela um Shawn Mendes mais maduro do que em qualquer música da edição padrão. Qualquer membro do pop ou rock masculino matariam por essa faixa, e o fato de ela estar na deluxe incomoda, e muito.
  Imagination é boa até os refrões, um defeito frequente neste álbum, enquanto The Weight é outra preciosidade colocada inexplicavelmente na edição deluxe: é um Shawn mais maduro, com um violão bem aplicado e uma letra tão boa que deveria ter sido o encerramento do CD. Don't Want Your Love traz um Shawn indeciso e confuso numa vibe mais old-school, enquanto Lost, que encerra a edição deluxe, traz um encerramento mais divertido e que continua a sonoridade da faixa anterior. 
  Ouvindo a deluxe, você percebe que a gravadora realmente dá motivos para os ouvintes comprarem essa edição de tantos destaques que ela tem.
 


  Novos artistas surgem todos os dias. 2015 certamente foi cheio de revelações: Tori Kelly, Fetty Wap, Fifth Harmony, The Weeknd, Halsey, e muitos outros... Mas Shawn Mendes realmente merece seu lugar ao sol somente por ter lançado um dos melhores álbuns de folk-pop do ano, um gênero que estava meio abandonado até a chegada de Ed Sheeran, que aparentemente já está começando a formar um legado.
  Apesar de jovem, o cantor se difere do restante dos teens por ser mais maduro, mais consciente e provar logo em seu debut ser muito mais do que apenas um rosto querido pelas garotas. Se continuar a trilhar este caminho, Shawn Mendes provavelmente terá muito a colher no futuro, mas até lá, ainda terá que provar o seu talento diante dos inúmeros críticos que deram notas medianas para um álbum que merecia mais - inclusive se contarmos a edição deluxe.
  Gostaram da resenha? Já ouviram a aposta de um dos artistas mais promissores da nova geração? Concordam com o dito por aqui? Acham que eu deveria parar de fazer resenhas e me focar em meus livros? Deixem sua opinião sobre Shawn Mendes e o seu Handwritten nos comentários.
  Obrigado a quem leu, e não se esqueçam: semana que vem tem novidades, então fiquem ligados e uma boa tarde a todos.

Destaques: Life of the Party, Stitches, Somethin' Big, Air, A Little Too Much, Bring it Back.

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Vida Voraz.

  Chorar pela vida de outra pessoa; qualquer pessoa, um amigo querido que partiu ou alguém com uma ligação espiritual com você. É a única forma que encontro de chorar sem parecer mais um adolescente idiota, mas nem assim sou respeitado como deveria. Lagrimas caem, mas a dor não passa. Eles dizem que certas coisas são bíblicas, estão destinadas a acontecer, estão destinadas e nada se pode fazer para impedi-las. A morte é uma delas...
  Com certeza a morte é inevitável; não tem como negar: a hora de todos chegará. Mas e quando a morte é evitável, e chega mais cedo? A dor se torna mais profunda? Mais lagrimas irão cair por conta de alguém que partiu cedo demais para o gosto de outra pessoa? Eu não sei. Sei que quanto mais penso nas pessoas que matei, mais eu tenho gosto de dizer que não o farei mais... Ledo engano, pois mesmo sem querer, eu continuo matando dia após dia. É um vício que eu posso controlar, mas não quando eu não posso me controlar.
  Quando eu pude, eu estava quente por dentro, agora meu coração está em pedra, e risadas poderão me fazer esquecer por um tempo, mas se tem uma coisa que aprendi é que a hora do jantar sempre tem que chegar, mais cedo ou mais tarde.
  Talvez daqui alguns anos eu possa respirar de novo, sem peso nas costas e dor no coração, mas até lá eu terei mais gritos dentro de mim; gritos de alguém que não teve chance de se salvar.

  Assino minha confissão: sou um assassino. E você? Já matou hoje?

domingo, 18 de outubro de 2015

Resenha de álbuns: Revival - Selena Gomez

  Oi pessoal! Tudo bem?
  Hoje decidi mudar um pouquinho a rotina de publicações do blog e vim fazer uma resenha de um dos álbuns mais esperados por mim durante todo o ano - acredite, eu esperei tanto por esse álbum que fiquei algumas noites sem dormir antes do lançamento.
  Estou falando de Revival! Da nossa linda, latina, sexy e cabeçuda, Selena Gomez!

  Revival


O amadurecimento e o renascimento
  A maior parte dos artistas pop, afim de divulgar os seus novos álbuns, fazem diversas entrevistas seguidas de performances dos chamados singles. Por vezes, eles prometem um amadurecimento (tanto em composições quanto vocalmente) e toques muito mais pessoais ao LP. Um bom exemplo é Britney Spears, que fez três álbuns mais direcionados ao público teen entre 1999 e 2001, e então tomou controle criativo de seu quarto disco, In The Zone, lançado em 2003 com uma sonoridade mais urban e um amadurecimento em sua imagem que prevalece até os dias atuais: uma mulher sexy, mas que raramente parte para a vulgaridade e tem como foco principal fazer boa música pop, algo que fica explícito em seu magnum-opus, Blackout (2007).
  Depois de mais de dez anos, a história parece se repetir com apenas algumas mudanças. Enquanto Miley Cyrus se revelou agressivamente sexual em Bangerz (2013) e Miley Cyrus and Her Dead Petz (2015), e Demi Lovato buscou um caminho mais pessoal, porém tão sexualizado com o de Miley no seu recém chegado Confident, Selena tenta ir para uma direção oposta a das ex-companheiras Disney, sendo mais sensual do que sexual.
  Algo que não me deixa mentir é a forma como as três tratam o seu trabalho: todas as três ficaram nuas nessas novas fases, mas é diferença é que enquanto Cyrus ficou nua em cima de uma bola de demolição, parecendo mais querer causar controvérsias do que mostrar um lado pessoal, Lovato fez um ensaio fotográfico completamente nua e sem edições, mais pessoal do que o de Cyrus, mas que ainda assim parece querer chamar atenção para o CD de forma mais, digamos, visual.
  Já Gomez, ao ficar semi-nua na capa da versão deluxe de Revival, deixa claro que está querendo passar uma mensagem similar a de Christina Aguilera em Stripped: ela está semi-nua, mas essa é sua forma de dizer que está completamente aberta ao público, sem mais segredos a esconder e nem mais ninguém guiando sua música por si. Somente ela. E a julgar pelo fato de Selena ser a produtora executiva de seu novo álbum, compôr 11 das 16 músicas do novo CD e pela amostra vocal mais poderosa de seus singles Good for You (feat. A$AP Rocky), Same Old Love e a promocional Me & The Rhythm em comparação ao que ela fez no passado, Selena não estava brincando quando disse que este seria o álbum mais pessoal de sua carreira (até agora, claro).

  A resenha


Revival (2015) - Interscope Records
  Abrir o CD com Revival, uma faixa minimalista com batidas que vão sendo acrescentadas e influências do urban-pop é uma decisão arriscada. Porém, a faixa co-escrita por Gomez abre com uma breve poesia da mesma: "eu mergulho no futuro, mas eu estou cega pelo sol; eu renasço a cada instante, então, quem sabe no que eu me tornarei..." ela recita logo nos primeiros segundos de uma faixa que fala sobre ser livre, dono do próprio nariz e, mais importante para Gomez, da própria música. Ela quer sentir como é ser uma verdadeira cantora e ser reconhecida por isso, e mandar essa mensagem logo de cara para o ouvinte só nos faz acreditar ainda mais no quanto ela amadureceu, apesar dos vocais de Selena as vezes serem abafados por leves doses de sintetizadores.
  Mas felizmente, a faixa-titulo é uma das raras situações onde isso acontece. Camouflage, por exemplo, é a melhor faixa da edição padrão no quesito vocal, uma vez que deixa todo o encantamento para a voz de Selena e para um piano e um teclado ao fundo. No entanto, a música pode se tornar enjoativa a qualquer instante, o que é péssimo para a única balada da edição padrão.
  Era de se esperar mais baladas em um CD que tem como principal objetivo ser pessoal, mas ao invés disso, somos apresentados a uma variedade de mid-tempos pessoais, que podem ser escritas ou não por Gomez. Sober, cuja letra que veio a partir de uma conversa de Gomez com Chloe Angelides (compositora da faixa) é um bom exemplo, sendo a mais pop do álbum e também uma das mais pessoais ao falar sobre como as pessoas são diferentes quando estão bêbadas; outro bom exemplo é Rise, que com um coral gospel no refrão e servindo como uma espécie de continuação para Who Says (2011) fala sobre auto-ajuda e encerra bem o disco na edição normal, com vocais mais descontraídos, mas ainda assim belos por parte da cantora.
  Hands to Myself, produção de Max Martin, é a faixa em que a cantora mais se arrisca nos mais diversos sentidos. A produção minimalista, a letra mais sensual e um novo lado da voz da cantora no pré-refrão tornam a experiência uma das melhores oferecidas pelo CD, apesar de ser puramente pop mid-tempo e não servir para single. Para falar a verdade, são poucas as faixas do Revival que realmente serviriam como um single top 10 da Hot 100, pois por mais parecida que Hands seja parecida com o primeiro e grande single urban, Good for You (feat. A$AP Rocky), apenas Same Old Love, que já foi lançada com segundo single e até agora teve desempenho mediano no top 40, Survivors e Kill Em With Kindness parecem ter um grande destino a cumprir nas paradas da Billboard, ambas sendo EDM e mais comerciais, mas sem perder uma noção daquilo que é pessoal para cantora, já que Survivors é uma homenagem aos fãs e Kill Em é uma critica da própria cantora à mídia que a persegue.
Revival tem como lead-single a faixa "Good for You"
que conta com a participação do rapper A$AP Rocky.
  Por fim, devo dizer que não há músicas ruins na edição padrão, apenas músicas que não deveriam estar no CD por quebrarem um pouco do clima. Me & the Rhythm, uma disco inspirada nos anos 60 e 70, e Body Heat, uma faixa com influências latinas, são bons exemplos, junto com a animada Sober. Mas de nenhuma forma essas faixas são ruins ou anti-pessoais, só que elas acabam por estragar o jeito mais minimalista, dark e urban-pop do álbum.
  Principalmente quando vemos que a edição deluxe possuí faixas que poderiam ter facilmente entrado na padrão, com destaque para a balada Perfect, que tem uma letra tão profunda, dolorida e vocais tão lindos por parte de Gomez (com direito a um dos melhores agudos de sua carreira em 02:50) e uma musicalidade tão característica com o restante do álbum (essa sim é urban) que fica difícil encontrar motivos pelos quais essa música ficou para a versão deluxe. Ao ouvir Nobody surge a mesma dúvida, já que a balada R&B encanta desde os primeiros momentos.
  Me & My Girls e Outta My Hands (Loco) são latinas, sendo que a primeiro tem um toque árabe. Se tivessem colocado Body Heat na deluxe e colocado qualquer uma das supracitadas baladas da deluxe no lugar dela, provavelmente a última metade do álbum se destacaria melhor e as faixa bônus teriam mais conexão, sendo que todas seriam mais latinas. Mas uma coisa que não se pode reclamar é a forma como o álbum, em geral, acaba com a romântica e sensual Cologne.
  É impossível para mim, no entanto, dizer o quão descontente estou com a posição das músicas na tracklist. Para mim, a posição das músicas na metade final atrapalhou muito o progresso do álbum, e uma experiência que poderia ter sido perfeita foi prejudicada por algo tão simples, mas crucial, como uma tracklist.

  1. Revival (Selena Gomez, Tim James, Antonina Armato, Chauncey Hollis, Justin Tranter, Julia Michaels e Adam Schmalholz; produção: Rock Mafia, Hit Boy e Dubkiller)
  2. Kill Em With Kindness (Selena Gomez, Antonina Armato, Tim James, Benjamim Levin e Dave Audé; produção: Rock Mafia, Benny Blanc e R3drum)
  3. Hands to Myself (Justin Tranter, Julia Michaels, Robin Fredriksson, Mattias Larsson e Max Martin; produção: Mattman & Robin e Max Martin)
  4. Same Old Love (Tor Hermansen, Mikkel Eriksen, Benjamin Levin, Charlotte Aitchison (Charlie XCX) e Ross Golan; produção: Stargate e Benny Blanco)
  5. Sober (Chloe Angelides, Jacob Kasher Hindlin, Julia Michaels, Tor Hermansen e Mikkel Eriksen; produção: Stargate e Dreamlab)
  6. Good for You (feat. A$AP Rocky) (Selena Gomez, Julia Michaels, Justin Tranter, Nick Monson, Nolan Lambroza, Rakim A. Mayers (A$AP Rocky) e Hector Delgado; produção: Nick Monson, Nolan Lambroza, Hector Delgado, Dreamlab e A$AP Rocky)
  7. Camouflage (Badrilla Bourelly, Christopher Braide; produção: Christopher Braide e Dreamlab)
  8. Me & The Rhythm (Selena Gomez, Justin Tranter, Julia Michaels, Robin Fredriksson e Mattias Larsson; produção: Mattman & Robin)
  9. Survivors (Ross Golan, Steve Mac; produção: Steve Mac, Dreamlab)
  10. Body Heat (Selena Gomez, Antonina Armato, Tim James, Chauncey Hollis, Justin Tranter e Julia Michaels; produção: Rock Mafia e Hit Boy)
  11. Rise (Selena Gomez, Antonina Armato, Tim James, Chauncey Hollis, Adam Schmalholz; produção: Rock Mafia e Hit Boy)
  12. Me & My Girls (Selena Gomez, Tim James, Antonina Armato, Matt Morris; produção: Rock Mafia)
  13. Nobody (Selena Gomez, Julia Michaels, Shane Stevens, Nick Monson; produção: Nick Monson, Shane Stevens, Julia Michaels e Beijamin Rice)
  14. Perfect (Selena Gomez, Julia Michaels, Justin Tranter, Felix Snow; produção: Felix Snow, Dreamlab)
  15. Outta My Hands (Loco) (Selena Gomez, Antonina Armato, Tim James; produção: Rock Mafia, Frank Dukes)
  16. Cologne (Selena Gomez, Chloe Angelides, Ross Golan, Mikkel Eriksen, Kent Sundberg e Cato Sundberg; produção: Stargate, Donkeyboy, Dreamlab e Miles Walker)

 Número estimado de compositores e produtores: 39


Conclusão


  Selena está cansada daquele mesmo, velho amor. Ela quer ver coisas diferentes e mostrar que tem uma personalidade única como artista, e é isso que ela consegue em Revival, um dos melhores álbuns pop de 2015 e um amadurecimento mais coerente e melhor musicalmente falando do que o Bangerz da Miley Cyrus. Com vocais amadurecidos, principalmente na região grave (sua nota mais baixa é um A2 nos 00:46 de Me & My Girls), a cantora (sim, já podemos chamá-la assim) nos mostra o melhor trabalho de sua carreira, mesmo que em meio a uma tracklist controversa.
  Destaque para: Perfect, Same Old Love, Revival, Hands to Myself e Rise.

  Nota final: 4.3/5

domingo, 20 de setembro de 2015

Falando sobre A Luz de Cada Mundo - Dreamland

Oi pessoal! Tudo bem? Estou aqui hoje para falar um pouco mais sobre A Luz de Cada Mundo, mais especificamente sobre um dos mundos do livro: Dreamland.

Dreamland


  Você já imaginou onde é que estávamos antes de nascer?
  E depois de nossa morte?
  Você acredita que há vida após a morte?
  Ou mesmo em vida pré a vida?
  Por que tudo tem que acabar quando morremos na terra?
  Essa é a questão: não tem.
  No universo de A Luz de Cada Mundo, nunca se está cem por cento morto. As vezes, você só tem que esperar o seu momento de finalmente voltar a vida, e as vezes só está esperando o seu chamado para manifestar-se na terra. Neste último caso, temos Dreamland: a terra acima das nuvens, lar dos anjos da vida, e da morte.
  Acima das nuvens e ao norte de todo o mapa do universo é onde fica o mundo, a terra dos sonhos! Moram em Dreamland todos os anjos da vida, que estão esperando que ocorram nascimentos em outros mundos para que possam tomar um corpo para si, podendo assim viverem suas vidas "normais", até que passados alguns anos, essa pessoa morra na terra e o seu corpo retorne para Dreamland, dessa vez vivendo no lado negro do mundo e com suas asas, que algum dia foram brancas, agora negras.
  Esse mundo é uma ideia de paraíso, do céu. É um mundo para se pensar no que encontraremos quando abandonarmos nossa preciosa Terra e formos para os lares de Deus, mas sem focar brutalmente em assuntos religiosos e dando liberdade ao leitor para que ele reflita até chegar a suas próprias conclusões, sem em momento algum forçar a opinião exposta no livro na mente do leitor.
  Dreamland, para mim, é uma visão de como tudo é possível, e de como a vida não acaba quando o coração para.

  Se ainda não leu A Luz de Cada Mundo, você pode adquiri-lo em sua versão física, digital, ou então ler a prévia de 50 paginas do livro.

  

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Novos Projetos

  Oi pessoal! Tudo bem? No exato momento em que escrevo esta postagem, já fazem dois meses desde o lançamento de A Luz de Cada Mundo; estou na minha escola, em aula vaga e ouvindo Someone da Kelly Clarkson enquanto penso na minha trajetória como escritor até aqui...
Nos últimos dias tenho dormido mais do que o normal, sei lá, acho que é um stress por conta do ano estressante e corrido que tive até agora. É, ser autor independente realmente é difícil, mas o orgulho que tenho com meu trabalho está me movendo para frente! Para o meu próximo livro...
  A Luz de Cada Mundo II.

A sequência

  Como eu anunciei várias vezes, eu queria escrever outro livro antes de partir para a sequência de A Luz de Cada Mundo, no entanto diversas coisas me motivaram a mudar de ideia.
  Para começar, eu me dei conta de que o final do primeiro livro puxou um gancho muito forte para uma sequência, tão grande que quem terminar de ler o livro, se gostar, automaticamente irá querer ler o segundo, então esse já é um fator que influência (e muito) para que o projeto seja trazido para frente na minha lista de prioridades.
  Outro fator que influenciou o trabalho foi o fato de que, apesar de eu possuir cerca de três projetos em mente (um que já foi passado para o papel), eu preciso dar um tempo para que eles amadureçam, e geralmente as minhas idéias demoram para amadurecer, assim aconteceu com A Luz de Cada Mundo, com o II e assim será com esses novos projetos, pelo menos, é esse o meu jeito de trabalhar agora.
  Além disso, nos últimos dias tenho tido bastante inspiração para trabalhar com a série, desde que cada vez fico mais interessado em amadurecer e aprofundar os personagens de Ryze e Chloe, além de criar novos mundos e personagens... Enfim, estou muito dentro do universo de A Luz de Cada Mundo neste momento! Estou testando o que funciona ou não para o livro, e caracterizando um novo personagem que promete...

Novidades e curiosidades

  • A Luz de Cada Mundo será mais longo que o primeiro livro; enquanto o primeiro livro beirou as 400 paginas, o segundo pode passar as 500. Isso porque a quantidade de mundos que os personagens principais deverão passar é um pouco maior e os mundos terão um maior aprofundamento.
  • O segundo livro será mais focado na fantasia, mais especificamente na high e dark-fantasy, mas sem abandonar o RPG, drama e romance do original.
  • A narrativa se passará alguns anos após o primeiro livro. Acho importante destacar que a continuação terá um grande amadurecimento em algumas das figuras do livro, principalmente em Ryze Hope, e também aprofundará vários outros personagens, como Buddy e Mark.
  • O livro deverá ser lançado em algum momento de 2016.
  Bem pessoal, é isso. Não posso revelar mais sobre o novo livro por hora... Porém, gostaria de agradecer muito ao apoio de vocês que seguem o blog, e pedir que continuem o acompanhando, bem como pedir para que leiam A Luz de Cada Mundo!
  Além deste livro, estou trabalhando em mais alguns projetos, que devem ficar também para 2016 ou 2017. Muito obrigado pelo seu tempo, e logo mais estarei postando novamente! 

Atenciosamente, Rennan Andrade

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Promoção em A Luz de Cada Mundo.

  Oi pessoal! Tudo bem?
  Estou aqui para divulgar a nova promoção relâmpago do Clube de Autores! Todos os livros impressos, ou seja, físicos, estão com até 25% de desconto, então se você estava interessado em comprar algum livro do Clube, a promoção dura até o dia 9 de agosto, que por acaso é domingo, dia dos pais.
  A promoção teve um impacto significativo em A Luz de Cada Mundo. O livro, que estava a venda por R$45, foi para R$38 e pouco, e, após eu ter dado uma ajudinha com a queda de royalties, o preço final ficou por R$36,99, e esse preço durará até o final da promoção do Clube de Autores, depois voltando para a casa dos quarenta reais.
  Se estiver interessado em adquirir sua cópia, clique aqui para comprá-la.
  Pretendo postar bastante aqui até o final da semana pessoal, então fiquem atentos e até a próxima!

quinta-feira, 30 de julho de 2015

A Luz de Cada Mundo #11 - Prévia do Livro e Agradecimentos

  Oi pessoal! Tudo bem? Ontem foi o meu aniversário e gostaria de iniciar este post já agradecendo à todos vocês que acompanham o meu blog. "Por quê?" vocês perguntam. Simplesmente porque, neste mês de Julho, o blog teve sua maior cota de visualizações desde dezembro do ano passado, e para mim, isso já é uma grande conquista!

  Julho também foi um mês de muitas conquistas para mim: além do lançamento do meu primeiro livro, A Luz de Cada Mundo (que já pode ser comprado no Clube de Autores, Bookess, Amazon e Saraiva) e dos meus dezesseis anos, julho também foi um mês de conquistas! Foi um mês em que eu posso dizer que amadureci muito como pessoa, principalmente por tratar da divulgação do meu livro que, apesar de ser cansativa, me fez ver como é importante suar a camisa por aquilo que você quer. É galera, tudo que vem fácil vai fácil, e eu não quero que minha carreira como escritor vá fácil, eu quero estar aqui para ficar! E quem lê meu blog ou me acompanha no Facebook certamente já deve ter notado isso...

  No entanto, não significa que o trabalho acabou!

domingo, 26 de julho de 2015

A Luz de Cada Mundo #10 - Marcadores Personalizados

  Oi pessoal! Tudo bem? De volta aqui para falar sobre A Luz de Cada Mundo, venho trazer algumas novidades interessantes para você que está pensando em adquirir o livro em formato físico no próximo dia 27 de Julho.
  Todos nós temos os nossos queridos marcadores de pagina, certo? Bom, mais ou menos uma semana atrás, eu conheci a Kika, que é absolutamente talentosa fazendo marcadores de pagina, e como ela estava a procura de alguém que fizesse uma capa e um logotipo para suas paginas no Twitter e no Facebook, eu aceitei fazê-los gratuitamente, sem mais pretensões (sério gente kkk).
  Foi quando Kika, agradecida, me ofereceu alguns de seus marcadores pela capa e pelo logotipo, e eu perguntei se ela poderia me fazer alguns personalizados para A Luz de Cada Mundo. No final das contas, a Kika acabou que divulgou o meu livro em suas redes sociais e ainda fez uns marcadores incríveis para mim! Sou muito agradecido à ela pelo que fez por mim e espero que possamos repetir a dose qualquer dia desses!
  Mas enfim, logo após ver o resultado, perguntei a Kika sobre a possibilidade de estender um pouquinho nossa parceria, e ela, sempre bem disposta, aceitou. A partir dai, fechamos um acordo: ela faria os marcadores de A Luz de Cada Mundo, e eu os divulgaria. Sendo assim, vamos conferir o resultado logo abaixo:

Os Marcadores:

A estrela e a lua...
  Os astros de A Luz de Cada Mundo nunca estiveram tão perto de você...
  A estrela negra que fica escondida nos céus durante a noite e a lua minguante que possui sim o seu próprio brilho...
  Todos os marcadores são feitos de tecido e elástico resistentes, e entregues sob demanda para qualquer lugar do Brasil sob o frete de R$6,00 a cada 10 à 12 marcadores, dependendo do tamanho.
  Cada marcador de A Luz de Cada Mundo custa R$3,00 reais, e você pode comprá-los através da pagina da Kika no Facebook

A Luz de Cada Mundo #9 - Feliz Dia do Escritor!

  Oi pessoal! Tudo bem? Estou passando aqui para dizer que sinto muito mesmo pelo adiamento da pré-estreia, que era prevista para acontecer ontem, mas que por vários motivos, como a ausência de um dos meus amigos (que por acaso estava preso no trânsito), problemas técnicos com câmera de gravação, com a qualidade do hangout e mais alguns inconvenientes impediram que o show acontecesse ontem. No entanto, tudo ocorreu bem e o Hangout de Pré-estreia aconteceu hoje, às 17:30 e com duração de quase uma hora. Alguns legs tomaram conta durante o show, mas quando tomaram, foi coisa de 20 e 25 segundos, e em contrapartida, o áudio ficou quase perfeito. Estávamos planejando liberar o chat para o publico, mas infelizmente, não foi possível!
  Quem perdeu a pré-estreia pode conferi-la abaixo:
      Agora, como um pedido de desculpas por adiar a pré-estreia, aqui estão mais algumas artes de personagens de A Luz de Cada Mundo, desenhadas e ilustradas por Lune Bakami e conceituadas por mim. Queria poder mostrá-las na pré-estreia, mas infelizmente, isso não foi possível. Da próxima vez, faremos melhor!

domingo, 19 de julho de 2015

A Luz de Cada Mundo #8 - Preço

  Oi pessoal! Tudo bem? O post de hoje vai ser mais técnico, ou seja, sem muito conteúdo sobre A Luz de Cada Mundo em si, mas somente com alguns assuntos que talvez vocês estejam interessados em saber, como por exemplo, o preço em suas versões físicas e digitais...
  Desde o anúncio do livro aconteceu tanta coisa que, algumas plataformas de publicação acabaram por ser incluídas, enquanto outras acabaram por ser retiradas e não publicarão mais A Luz de Cada Mundo, ok pessoal?

A versão física

  Quando fiz o anúncio do livro (relembre aqui), eu havia exposto a minha ideia de colocar a versão de física do livro por um preço entre R$40 e 45 reais, através do Clube de Autores e do Bookess, que foram as melhores opções de editoras sob demanda que achei para distribuírem meu livro de forma nacional.
  Quanto a isso, eu ainda não duvido que o trabalho de ambas seja competente, mas venho aqui para trazer informações sobre por quanto estará o preço, prazo de entrega, frete e número de paginas de cada edição, sendo que as versões impressas pelo Clube de Autores são um tanto diferentes das impressas pelo Bookess...
  Vamos lá!

segunda-feira, 13 de julho de 2015

A Luz de Cada Mundo #7 - O segundo capítulo.






















  Oi pessoal! Tudo bem? Depois de uma semana após o lançamento do (curto) primeiro capítulo, estou hoje para trazer algo um pouco maior para vocês...
  É o segundo capítulo pessoal! Certamente, esse é o maior que capítulo que vocês já leram vindo de mim, e é até para bom para vocês irem se acostumando com o ritmo do livro, pois existem capítulos um tanto curtos e capítulos mais longos. Esse, no caso, empata com mais três capítulos do livro como o 5º capítulo mais longo do livro, então vocês já devem imaginar o tamanho do mais longo...
  Bem, antes de começar, gostaria de agradecer a todos que leram o primeiro capítulo de A Luz de Cada Mundo! Só aqui no blog, o primeiro capítulo trouxe mais de 50 pessoas aqui no blog para conferirem o capítulo no dia da estreia, então muito obrigado mesmo!
  Enfim, fiquem a seguir com as 5.661 palavras do segundo capítulo de A Luz de Cada Mundo...

quarta-feira, 8 de julho de 2015

A Luz de Cada Mundo 6# - O primeiro capítulo

O amor entre um livro e seu autor...
  Oi pessoal! Tudo bem? Estou voltando aqui para a divulgação de A Luz de Cada Mundo, e hoje, trago a vocês algo incrível! O primeiro capítulo de A Luz de Cada Mundo! Na integra!
  Desculpem-me pelo excesso de exclamações, mas é que não dá para conter a emoção diante do fato de estar postando o primeiro capítulo para todos vocês! E se não está habituado a ler pelo computador e/ou navegador do celular, pode conferir essa prévia incrível também no Nyah! Fanfiction, SocialSpirit e no Wattpad nos links que deixo abaixo.
  Só avisando que irei postar um capítulo por semana até o lançamento do livro nos dias 27 e 28 de Julho, e quem está lendo já pode comprar o livro na pré-venda da Amazon.com em outro link que também deixo abaixo...

Pra quem fica, um bom dia e espero que gostem, e se gostarem, comentem! Nada custa falar o que acharam da história, e ficarei honrado se receber um comentário de qualquer um de vocês depois de um ano de trabalho.

Boa leitura!

sábado, 4 de julho de 2015

A Luz de Cada Mundo #5 - Book Trailer

 
Oi pessoal! Tudo bem? Sei que andei meio sumido nos últimos dias, mas ainda assim, espero que tenham gostado do último post apresentando Ryze Hope, o personagem principal de A Luz de Cada Mundo, e também espero que me perdoem pela minha demora em postar, mas é que dessa vez, eu estava preparando uma surpresa para vocês:

  Book Trailer!

  A maioria das pessoas que já leu alguma fanfic minha sabe que eu gosto de fazer fanvids em forma de trailer para minhas fanfics: fiz isso com Coincidências, Amores de uma Vida e The Love Story. Pois bem, o último fanvid que fiz foi o da despedida de The Love Story, finalizada em julho do ano passado, e enquanto não pretendo parar de fazer fanvids ou fanfics, esse vídeo ainda é o último fanvid que eu fiz, e continuará a ser pelo menos por um tempo...
  No entanto, isso não significa que seja o vídeo que eu tenha feito.
  Vou lhes explicar: o canal em que os vídeos citados acima estão postados é um canal feito exclusivamente para vídeos fanmade, de modo que eu não acho certo postar um trailer feito para um livro com história totalmente original num canal que possuí somente vídeos com trilhas-sonoras e imagens licenciadas, mas que ainda não assim não possuem fins lucrativos.
  Por isso, eu decidi postar o book trailer de A Luz de Cada Mundo (!) no meu novo perfil de videos, dedicado somente à vídeos originais. Vamos ver?

sexta-feira, 26 de junho de 2015

A Luz de Cada Mundo #4 - Ryze Hope

Ryze Hope
Desenho: Lune Bakami
Concepção e Edição: Rennan Andrade
  Oi pessoal! Hoje eu estou aqui para prossegui com a divulgação de detalhes sobre A Luz de Cada Mundo, meu primeiro livro que conta com os gêneros de fantasia, sci-fi, RPG, viagem por mundos e drama, sendo que todos por exceção do último são gêneros os quais eu nunca havia explorado antes...
  A Luz de Cada Mundo é o meu primeiro livro, do qual eu comecei a trabalhar em julho de 2014, finalizando em maio deste ano, ou seja, um trabalho de quase um ano, e se contar nos planos iniciais que eu tinha desde dezembro de 2013, o livro já possui uma história bem grandinha.
 Então chega de drama e se preparem para conhecer Ryze Hope.
    PS: Doses generosas de spoilers serão atribuídas aqui. Se você lê alguma história minha (tirando Coincidências), leia por sua conta em risco. Agora, se pretende ler A Luz de Cada Mundo, creio que não há nenhum risco para você aqui.

O personagem e a história por trás de Ryze Hope.

quarta-feira, 17 de junho de 2015

A Luz de Cada Mundo #3 - A primeira parceria.

  Oi pessoal! Tudo bem?
  Eu estou muito feliz pelo progresso de A Luz de Cada Mundo! Depois do registro na Biblioteca Nacional nesta segunda e do anúncio do livro ontem, nessa quarta fechei uma grande parceria com Fernanda Braga, autora do blog "Mato por Livros" e uma pessoa super gentil.
  Hoje mesmo, Fernanda fez um post de divulgação do meu livro para seu blog, e eu estou super agradecido quanto a isso...
  Vamos conferir!

terça-feira, 16 de junho de 2015

A Luz de Cada Mundo #2

  Oi pessoal! Tudo bem? Nossa, esses últimos quatro meses que se passaram desde o nosso último contato passaram voando. Talvez porque eu tenha feito o CAMP Caxíngui, talvez porque eu tenha escrito mais do que pensava que iria escrever...
  Ou quem sabe porque eu finalmente tenha finalizado A Luz de Cada Mundo...
  Ainda não sei exatamente a resposta, mas o fato é que, depois de um ano de trabalho, A Luz de Cada Mundo pode se considerar um livro concluído. Não há muito mais o que falar sobre o assunto; nada, além de algumas coisinhas que gostaria de dizer...

quarta-feira, 3 de junho de 2015

A influência da escola nos dias atuais... (Ou a falta dela)

Professor não é bandido... Então que 40% não se esconda como tal!


  Oi pessoal! Tudo bem? Espero que com vocês sim, pois comigo, o meu estar agora se resume em somente três palavras: EU ESTOU PUTO! E sei que não deveria estar falando isso; não deveria nem mesmo estar retomando as atividades do blog hoje e nem escrevendo por aqui hoje também, sendo que só pretendia voltar na semana que vem...
  Mas infelizmente, hoje foi a gota d'agua para mim. Com "mim", quero dizer eu: Rennan Andrade de Oliveira, um estudante do 1º ano do Ensino Médio que está completamente cansado do que a escola tem a dizer, sendo que o que ela tem a dizer não ajuda em nada a minha situação; nem a minha, nem a de outros milhões de alunos.

O que quero para mim.

  Não estou aqui para botar fogo na escola pública, só estou aqui para mostrar o meu TOTAL desgosto quanto a forma que ela vem agindo de uns anos para cá. Para começar, devo dizer que sou rico! Rico em saúde, e para mim, isso me basta; não tenho a ambição de enriquecer, de me tornar famoso, e um mundo no qual eu possa ser um escritor, constituir minha família e dar aula para crianças me basta. Esse último quesito é que vem me atormentando nos últimos dias.
  Desde que fui ao Projeto Rumo (uma coletânea de palestras organizada pelo Rotary Club) há duas semanas atrás, fixei meus dois pés no chão e decide meus objetivos: quero fazer pedagogia e dar aulas para crianças do Ensino Fundamental I (1º ao 5º ano), ou no mínimo, dar aulas de português para o Fundamental II. Nunca escondi de ninguém meu amor pela língua portuguesa e nem meu amor pelas crianças, e por isso, fiquei muito surpreso com os olhares de desaprovação, desgosto, superioridade e, até mesmo, pena, quando contei a cada pessoa próximo de mim sobre o que gostaria de ser no futuro.
  E dessas últimas duas semanas para cá, eu finalmente descobri exatamente o porquê de tantos olhares negativos...

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

A Luz de Cada Mundo

Meu cachorro querendo aparecer bem na foto
Eu com sono, Denise zuando e Vitória invadindo a foto kkk







   Oi pessoal! Tudo bem? Depois de seis meses dando uma parada obrigatória aqui no blog (sério pessoal, foi totalmente obrigatório), hoje eu voltei para dar algumas explicações para vocês.